Querido "Ebola", não venha para o meu país. Afinal, temos estádios, não hospitais.